Fadas Espinhosas

Eis aquelas “fadas indesejadas” de quem fugimos desesperadamente, evitando sentir determinados burburinhos que nos deixam desconcertados e confusos. Mas é importante investir um tempinho pra elas, pois quando tentamos nos afastar dos sentimentos e emoções pinicantes estamos perdendo a oportunidade de aprender a lidar melhor com essas Fadas Espinhosas.

Aqui abaixo você vai encontrar esse time espinhoso [mas necessário] de fadas. Pode clicar na que curtiu e ir direto vê-la ou deixar rolar e ir conhecendo uma a uma.

Fada da Vergonha

Fada Imperfeitina

Fada da Procrastinação

Fada Ancoradoura

Fada Guarda.dores

Fada da Inveja

Fada Investigadora de Sombras

Fada da Culpa

Fada do Acabrunhamento

Fada da Solidão


Fada da Vergonha

É a fada que vem junto com uma súbita vontade de sumir, de se tornar invisível de repente. Ela não vem por causa de algo que pode ser desfeito, mas sim por algo que se é, ou melhor, que se acredita que se é.
A Fada da Vergonha vem voando no eco do ego que sussurra… você não é bom o bastante… você poderia ser bem mais corajoso… você deveria ser muito mais bem sucedido… Essa fada vive no vale irreal da perfeição, um lugar ilusório em que algumas vezes acreditamos que deveria ser o nosso lar. Quando isso ocorre ela migra desse vale sinistro para ruborizar nossas bochechas.

fada da vergonha


Fada Imperfeitina

A dona das assimetrias, rainha dos embaraços do corretor ortográfico. Ela é o terror dos cricris de cabelo perfeitamente arrumado em dia de ventania, ameaça mor dos que não aguentam um pelinho de cachorro grudado na calça.
A Dona Imperfeitina chega zunindo suas asinhas desparelhas quando a perfeição de uma linha reta sendo traçada vira um eletrocardiograma com o susto de uma porta batendo. Ah… aquela pequena linha solta na barra da calça, na tentativa de acabar com aquele sofrimento um breve puxãozinho e tá feito o desatino de uma costura inteira desfeita.
Essa fada vê graça naquela sobrancelha que é um pouquinho mais levantada que a outra, naquela leve pancinha cultivada por momentos de alegria com vinho, massa a carbonara e amigos, na rachadurinha da cuia do mate, naquela lasquinha do esmalte que se perdeu em alguma quina.
Ela é responsável pelas interessâncias pessoais, pelos detalhes únicos e verdadeiros, mas que às vezes, por não entender a mágica dela, queremos esconder.

fada imperfeitina


Fada da Procrastinação

A Fada pesada das escolhas deixadas pra amanhã, da felicidade adiada pra um outro tempo imaginário do futuro. A Fada da Procrastinação se alimenta do tempo perdido que poderia ser ocupado com as tarefas chatas e pouco prazerosas, mas também, veja o perigo!, se nutre até lambuzar-se dos instantes de vida assassinados quando deixamos pra depois as tarefas que fazem nosso olho brilhar. Ela se regozija quando adiamos nossos sonhos priorizando operacionalidades quaisquer enquanto o que realmente importa está sendo empurrado por uma enorme pança de fada entediada.
A Fada da Procrastinação ganha corpo e peso em nossa cabecinha quando acreditamos que não merecemos tanto assim aquela sensação leve e deliciosa de dever cumprido após dar check em um item de nossa listinha de coisas a fazer. Quando nos estimamos menos do que deveríamos ficamos buscando meios bobos, mas muito eficientes, de provar que não merecemos coisas incríveis. Tá duvidando? Quer coisa mais boba que alimentar uma fada com instantes de vida enquanto poderia estar comemorando os desafios superados com o peito cheio de orgulho? Pois que jogue a primeira pedra quem nunca preparou um sanduíche de tempo precioso pra uma rechonchuda Fada da Procrastinação.
Parceira de ressaca da Fada da Culpa, a Fada da Procrastinação nunca fica só depois de um porre de vídeos de gatinhos tocando piano enquanto a montanha de tarefas por fazer cresce exponencialmente ao ponto do seu topo já ser algo nebuloso e distante.
Falar sobre dieta é mais fácil do que fazer, de bolo de chocolate a fatias de tempo investido em insignificâncias, não há a menor dúvida, dieta é difícil pra caramba! No entanto, quanto mais leve e atlética nossa Fada da Procrastinação, mais brilho no olho, mais auto amor, mais peito estufado de orgulho, mais pontos pro time dos fazedores de coisas bacanas!

fada da procrastinação


Fada Ancoradoura

A Fada Ancoradoura possui longos cabelos que se enroscam nas decisões não tomadas, nas distrações que fogem do presente e nas ideias sem ações.
Ela aparece quando apertamos o botão do elevador do mesmo andar em que já estamos, quando continuamos em um relacionamento que já sabemos que acabou, ou então quando comemos aquele irresistível pão francês quentinho mesmo sabendo que glúten acaba com a gente.
Essa fada se alimenta dos passos que não damos na direção dos nossos sonhos e dos hábitos não virtuosos. Seus cabelos crescem e se emaranham com mais afinco toda vez que nos rendemos às distrações e escolhemos o bauru com bastante maionese ao invés da aula de dança e o sonho do palco.

fada ancoradoura


Fada Guarda.dores

Essa é aquela fada que gosta de colecionar incômodos emocionais, tem apego aos espinhos que nos feriram e as dores que não deixamos ir embora.
A Fada Guarda.dores mora num lugar tortuoso da memória, um cantinho sombrio que visitamos quando precisamos nos sentir seguros nas mágoas já conhecidas, nos calos que já sabemos onde apertam.
Ela surge toda vez que batemos o dedo minguinho naquela mesma mesinha, mas nunca trocamos ela de lugar só pra continuar reclamando. Ou então quando encontramos alguém querido, mas nunca perdemos a chance de tocar naquele assunto doloroso do passado. A fada também aparece triunfante quando revivemos mentalmente em looping uma conversa chata que já poderia ter sido encaminhada pro nosso spam mental.

fada guarda dores


Fada da Inveja

Essa Fada é o que eu chamo de “a grande cilada” do Reino das Possibilidades. Algumas vezes disfarçada de admiração, a Fada da Inveja almeja as benfeitorias da vida alheia, os louros e os benefícios de ser quem o outro é.
Pode ser difícil identificá-la, afinal há coisas maravilhosas no mundo e logicamente gostaríamos de viver algumas delas, por quê não? No entanto, se ficarmos atentos podemos ver quando as garrinhas da dissimulada Fada são postas pra fora, geralmente é em um deslize, desmerecendo as glórias do outro, atribuindo tais benefícios à sorte, costas quentes, ou porque simplesmente é o preferido do universo. Pode-se observar também, como quem não quer nada, explicitando que a coroa cairia melhor em sua cabeça do que na cabeça do outro.
Pois a grande cilada da Fada da Inveja mora em desejar só o palco de alguém, com cenário colorido e muitos aplausos, esquecendo-se que sempre há bastidores! Pois afinal, a vida é feita bem mais de bastidores do que de palco propriamente dito. É cada tropeço e tombo, mas também levantar e seguir. É ensaio após ensaio e acordar mais cedo ainda pra ensaiar mais um pouco. É trabalho interno, externo e escolhas que precisam ser feitas. Então, rufem os tambores, o palco realmente parece extraordinário depois deste tanto de empenho por trás das cortinas.
A Fada da Inveja é uma fada caolha, ela enxerga com o olho que vê os benefícios, mas tapa o que veria o esforço que demandam os benefícios. Ela é apegada à meias verdades, só a parte que lhe convém, é uma fada danada que vive nas baixas vibrações, há de se ter cuidado com ela!

fada da inveja


Fada Investigadora de Sombras

Essa fada teria tudo para estar naquela listinha das fadas sombrias do Reino das Possibilidades, mas não é bem assim. Quer dizer, é claro que ela vive no meio de umas energias meio barras-pesadas e, como todo mundo que tem que lidar com algo sim, ela tem as suas marcas de guerra. No entanto, ela não é o tipo de fada que fica procurando sarna pra se coçar à toa, mas sim aquela que vai atrás das sombras pra tentar dar uma clareada na coisa toda, iluminar mesmo.
Quantas vezes não ficamos profundamente tristes, acabrunhados por algo que não sabemos exatamente o que é? Pois é nesse momento que começa o turno de trabalho da Fada Investigadora de Sombras! É quando surge aquela chateação recorrente, meio sem nome nem sobrenome, e uma pulguinha perguntadeira, ops, fada perguntadeira começa um processo de investigação, passo por passo, atrás daquela sombra escondida numa esquina da alma.
Quando nos dispomos a ser parceiros dessa Fada e trabalhar juntos desvendando nossas sombras, costumamos ficar muito afoitos, pois afinal topamos o trabalho sujo, então temos pressa pra nos livrar da escuridão. Apesar de toda impaciência e ansiedade que podemos ter, a Fada Investigadora de Sombras não se abala, se mantém serena, serena. A fada é especialista no assunto e conhece direitinho como tudo funciona, ela sabe que para encontrar as sombras não adianta ficar parado, tem que ir atrás, mas também é importante saber onde procurar.
Ouvir o nosso coração e o nosso corpo (sim, o corpo fala também!), esse é o modus operandi da Fada Investigadora de Sombras! Isso exige um treinamento danado e é preciso praticar no silêncio pra poder atuar na barulheira da vida, por isso que mesmo encarando sombra atrás de sombra ela, ainda assim, mantém a serenidade.
Quando ficamos doentes disso ou daquilo, nos momentos que nos contraímos inteiros até o pescoço travar, ou aquela insistente queimação no estômago que aparece sempre antes de uma reunião. Tudo isso é o corpo falando sobre umas sombrinhas escondidas que precisam de um pouco de luz pra deixarem de ser. Com uma bem treinada Fada Investigadora de Sombras a gente consegue resolver um bocado de coisas com silêncio, respiração e chá quentinho e até dar uma folga pra farmácia! Só vejo vantagens!

fada investigadora de sombras


Fada da Culpa

A fada das dívidas pendentes, das contas que deixamos penduradas, do peso extra que carregamos sobre aquilo que deveríamos ou não ter feito. A Fada da Culpa é bastante útil na hora de avaliarmos o equilíbrio de nossos enlaços, se as asas da Fada andam pesadas demais e ela precisa despender mais energia do que de costume para carregá-las podem haver motivos para alerta aí.
A Fada da Culpa é uma grande sinalizadora, em todas as direções, na verdade. Para algumas pessoas ela avisa sobre a compreensão que faltou em uma ocasião, momentos de atenção que deixaram a desejar ou um tropeço que pode ter deixado machucados nos joelhos alheios. Nessas situações o peso da culpa avisa sobre o que podemos fazer diferente e onde estão as brechas em que podemos melhorar.
Mas também tem aquele outro tipo de pessoa que abriga Fadas da Culpa que vivem exaustas, curvadas, com as asas negras e pesadas arrastando pelo chão. São fadas acumuladoras de culpas, elas arrecadam peso extra por onde passam, desde o bom dia dado as pressas no meio de um pensamento sobre a reunião de mais tarde, passando pelo mau humor de fome de um colega até o ônibus que passou atrasado. Quando a Fada da Culpa assume um comportamento compulsivo, colecionando dívidas de todas as naturezas e que não fecham a conta básica de ação e reação natural das coisas eis o motivo pra alerta!! É hora de relaxar os ombrinhos, pensar nas situações com o máximo de distanciamento que é possível conseguir quando se trata de emoções e avaliar se as culpas são reais ou imaginárias.
A Fada da Culpa é uma retentora de energias, quando nossas vibrações ficam paradinhas, acumulando atazanações não fluímos nosso potencial criativo e amoroso como todo entusiasmo que podemos, por isso que Fada da Culpa boa é Fada da Culpa leve, de boas, em paz.
Que culpas você está disposto a abrir mão para deixar as asas da fada mais leves? Que culpas são tuas e quais são resultado de uma fada compulsiva e acumuladora de peso imaginário?

fada da culpa


Fada do Acabrunhamento

Essa fada surge como um nó na garganta, um aperto vazio, ombros pesados e caídos. Ao chegar nos transforma num tatu bolinha espremido no canto do sofá. Geralmente ela vem acompanhada de lenços de papel, músicas melancólicas e filmezinhos deprê.
Mas é possível apequená-la (ou confortá-la) com abraços quentinhos e comidinhas reconfortantes, casos mais severos podem precisar de vinho ou de alguma outra bebida alcoólica.

fada do acabrunhamento


Fada da Solidão

Ela mora no finzinho de um longo e escuro túnel, no oco. Apesar de pequenina, essa fada carrega asas enormes, quando tem de abri-las tudo ao redor escurece e toma a forma de seu lar, oco. Oco é só um vazio qualquer cheio de nada que abriga a solidão.
Às vezes mal se pode vê-la, pois a danada também possui a habilidade de se esconder nos lugares mais movimentados, à luz do dia e no meio de todo mundo e, ao contrário do que se costuma presumir, não só na taça do vinho escuro e na lágrima tingida de rímel.

fada da solidão